Perseguição Primeiros Cristãos: Parte 02

Ao contrário da maioria das religiões do Império Romano, o cristianismo exigia renunciar a todos os outros deuses. A recusa dos cristãos para se juntar celebrações pagãs significava que não poderia participar mais da vida pública, o motivou os não-cristãos, incluindo as autoridades de governo a acusa-los de estarem irritando os deuses e ameaçando a prosperidade do império. Uma série de perseguições organizadas contra cristãos  surgiu no final do século terceiro, somadas a acusações de que cristãos estariam ofendendo os Deuses e sendo a causa de maldições que acarretaram em Doenças, ataques militares contra o Império, crises políticas e econômicas, etc. Diante de uma sociedade envolta em crendices e acusações absurdas de todo o tipo contra os cristãos, Todos os moradores foram obrigados a dar sacrifícios ou ser punido. As estimativas do número de cristãos que foram executados chega a 50 000.  . A princípio o governo romano considerava a Igreja Cristã como uma das seitas do judaísmo. Posteriormente, com o crescimento do Cristianismo, passou a ver a igreja como distinta do judaísmo. À medida que crescia, o Cristianismo passou a sofrer cada vez mais oposição por parte da sociedade pagã e do próprio Estado. A primeira grande perseguição movida pelo Império deu-se sob Nero. A partir daí, outras perseguições ocorreram, que muitas vezes dependia do governo provincial. Após Nero, Domiciano (90-95) moveu curta, mas feroz perseguição aos cristãos. Já no segundo século, o imperador Trajano estabeleceu a política que norteou as perseguições ao cristianismo: o Estado não deveria gastar seus recursos caçando os cristãos, mas os que fossem denunciados deveriam ser levados ao tribunal e instados a negar a Cristo e adorar os deuses romanos. Quem não o fizesse deveria ser condenado à morte.

Havia duas linhas de oposição ao Cristianismo: popular e erudita. A oposição popular estava baseada em rumores e falsas interpretações dos ritos cristãos. Era voz corrente entre o povo que os cristãos participavam de festas onde havia orgias com incestos, inclusive, interpretando mal o fato de os cristãos se chamarem de irmãos. Cria também o povo que os cristãos comiam a carne de recém-nascidos, isto devido ao que ouviam falar sobre a Ceia, na qual comiam a carne de Jesus (Pão)e tomavam seu sangue (vinho), juntamente com os relatos do nascimento de Cristo.

Nesse tempo de grave incerteza cai a segurança garantida pelo Estado. Agora são os gentios (=pagãos) que passam a confiar não mais na ordem imperial mas na proteção das divindades mais misteriosas e estranhas. Surge no Quirinal, em Roma, um templo à deusa egípcia Isis, o imperador Heliogábalo impõe a adoração do deu Sol, o povo recorre a ritos mágicos para manter a peste distante. Entretanto, mesmo no século terceiro dão-se anos de terríveis perseguições contra os cristãos. Não mais por causa da sua “irracionalidade” (num mar de gente que se entrega a ritos mágicos, o cristianismo é agora o único sistema racional), mas em nome da renascida limpeza étnica. Muitos imperadores, mesmo sendo bárbaros de nascimento, vêem no retorno à unidade centralizada a única via de salvação. E decretam a extinção dos cristãos, sempre mais numerosos, para lançar fora da etnia romana esse “corpo estranho”, que se apresenta sempre mais como uma nova etnia, pronta a substituir aquela que já declina do império fundado nas armas, na rapina, na violência. s

Seguiu-se a isso um período de vários seculos de perseguições constantes contra o povo e representantes da igreja, que com determinação e coragem admirável cravaram os alicerces da igreja católica e do cristianismo, pessoas que pelos seus atos heroicos não renunciaram a Fé nem diante de Torturas horríveis e a Morte.

Vindos da Ucrânia e do norte da Romênia, os godos invadem e ocupam Roma em agosto de 410 DC. Tela de Ulpiano Checa (séc. XIX)

Alarico conquista roma -ulpiano checa -séc.19

A Quinta Perseguição sob Severo, em 192 d.C.

Severo, recuperado de uma grave enfermidade após haver recebido cuidados de um cristão, chegou a ser um grande benfeitor dos cristãos em geral. Ao prevalecer, porém, os preconceitos e a fúria da multidão ignorante, foram postas em ação leis obsoletas em relação aos adeptos do cristianismo. O avanço do movimento alarmava os pagãos e reavivava o velho hábito de se culpar os cristãos pelas desgraças acidentais que sobrevinham. Esta perseguição desencadeou-se em 192 d.C.

Mesmo diante das perseguições , o Evangelho prevalecia firme e resistia  aos ataques dos inimigos. Tertuliano, que viveu nessa época, informa-nos que, se os cristãos houvessem se retirado em massa dos territórios romanos, o império teria ficado despovoado.

Victor, bispo de Roma, sofreu o martírio no primeiro ano do terceiro século, em 201 d.C. Leônidas, pai do célebre Origenes, foi decapitado por Cristiano. Muitos dos ouvintes de Origenes também foram martirizados; em particular dois irmãos, Plutarco e Sereno. Um outro Sereno, e também Heron e Heráclides, foram decapitados. Com Rhais deu-se o seguinte: derramaram-lhe breu fervente sobre a cabeça, e logo o queimaram, como também a sua mãe Marcela. Potainiena, irmã de Rhais, foi executada da mesma forma que ele. Entretanto, Brasílides, oficial do exército, que recebeu ordens para presidir a execução, converteu-se ao Evangelho.2218055

Quando pediram a Brasílides que fizesse um certo juramento, afirmou que não  poderia jurar pelos ídolos romanos, porque era cristão. Cheia de estupor, a multidão não podia crer no que ouvia; porém, após confirmar o que dissera, ele foi arrastado à presença do juiz, lançado no cárcere e, pouco depois, decapitado.

As perseguições, ao se estenderem à África, provocaram a morte de muitos cristãos. Mencionaremos os mais destacados entre eles:

Perpétua, de aproximadamente vinte e dois anos, casada. Com ela sofreram Felicitas, também casada e em adiantado estado de gestação, e Revocato, escravo e catecúmeno de Cartago. Outros presos destinados a sofrer nessa ocasião foram Saturnino, Secúndulo e Satur. no dia marcado para a execução deles, foram levados ao anfiteatro. A Satur, Secúndulo e Revocato mandaram que corressem entre os domadores das feras. Estes, dispostos em duas fileiras, flagelavam-nos severamente enquanto corriam. Felicitas e Perpétua foram despidas e expostas a um touro bravo, que se lançou primeiro contra Perpétua, deixando-a inconsciente; logo arremessou-se contra Felicitas, e a içou terrivelmente pelos chifres. Como ambas continuassem vivas, o carrasco atravessou-as com uma espada. Revocato e Satur foram devorados pelas feras; Saturnino foi decapitado, e Secúndulo morreu no cárcere. Estas execuções aconteceram em março de 205 d.C.

Coliseu-Touro-Cristaos

Esperato e outros doze foram decapitados, e o mesmo aconteceu com Androcles, na França. Asclepíades, bispo de Antioquia, sofreu muitas torturas, mas não foi morto.

Cecília, jovem dama de uma boa família em Roma, casada com um cavaleiro chamado trial_by_water - CopyValeriano, ganhou o marido e o irmão para Jesus, que foram por isso decapitados. O oficial que os levou à execução foi convertido por eles e sofreu a mesma sorte. A dama foi lançada despida em um banho fervente e, após permanecer ali um tempo considerável, foi decapitada. Isto aconteceu em 222 d.C.

Calixto, bispo de Roma, sofreu o martírio em 224 d.C, mas não há registro sobre a forma de sua morte. Urbano, bispo de Roma, sofreu a mesma sorte em 232 d.C.

A Sexta Perseguição sob Maino, em 235 d.C.

Em 235 d.C, começou, sob o comando de Maximino, uma nova perseguição. O governador de Capadócia, Seremiano, fez todo o possível para exterminar os cristãos daquela província.

As principais pessoas a morrer sob este reinado foram: Pontiano, bispo de Roma (seu sucessor, um grego chamado Anteros, ofendeu o governo ao

reconhecer os atos dos mártires); Pamaquio e Quirito, senadores romanos, juntamente com suas famílias; Simplício, também senador; Calepódio, um ministra-historia-da-peste-bubonicath - Copyo cristão que foi lançado ao rio Tiber; Martina, uma nobre e formosa donzela; e Hipólito, um prelado cristão que foi atado a um cavalo selvagem e arrastado até morrer.

Durante esta perseguição, suscitada por Maximino, muitos cristãos foram executados sem julgamento e enterrados indiscriminadamente em montões; às vezes, cinquenta ou sessenta eram jogados juntos em uma vala comum, sem a menor decência.

Setímio Severo, Maximino, Décio e Galo

Com Setímio Severo (193-211), fundador da dinastia siríaca, parece anunciar-se ao cristianismo uma fase de desenvolvimento não perturbado. Muitos cristãos ocupam posições influentes na corte. Só no décimo ano de seu reinado (202), o imperador muda radicalmente de atitude.

Em 202 surge um edito de Setímio Severo, que comina graves penas à passagem ao judaísmo e à religião cristã. A repentina mudança do imperador pode ser compreendida apenas pensando que ele percebera que os cristão estavam se unindo sempre mais fortemente numa sociedade religiosa universal e organizada, dotada de uma íntima forte capacidade de oposição que a ele, por considerações de política estatal, parece suspeita. As devastações mais vistosas foram sofridas pela célebre escola cristã de Alexandria e pelas comunidades cristãs da África.
Maximino Trace (235-238) teve uma reação violenta e brutal contra o que tinham sido amigos do seu predecessor, Alexandre Severo, tolerante com os cristãos. A igreja de Roma foi devastada com a deportação às minas da Sardenha dos dois chefes da comunidade cristã, o bispo Ponciano e o presbítero Hipólito.

A atitude para com os Cristãos não fora alterada entre a gente simples; demonstra-o a verdadeira caça aos cristãos desencadeada na Capadócia quando se acreditava ver neles os culpados de um terremoto. A revolta popular diz-nos o quanto os cristãos ainda fossem considerados “estranhos e maléficos” pelo povo. (Cf. K. Baus, Le origini, p. 282-287).

Sob o imperador Décio (249-251) desencadeia a primeira perseguição sistemática contra a Igreja, com a intenção de desenraiza-la para sempre. Décio (sucessor de Filipe o Árabe, muito favorável aos cristão, se não ele mesmo cristão), é um senador originário da Panônia, e muito apegado às tradições romanas. Sentindo profundamente a desagregação política e econômica do império, acreditou que podia restaurar a sua unidade recolhendo todas as energias ao redor dos protetores do Estado. Todos os habitantes são obrigados a sacrificar aos deuses e recebem, depois disso, um certificado.origenes
As comunidades cristãs estão abaladas pela tempestade. Quem recusa-se ao ato de submissão é preso, torturado, justiçado: como o bispo Fabiano em Roma e, com ele, muitos sacerdotes e leigos. Em Alexandria houve uma perseguição acompanhada de saques. Na Ásia, os mártires foram numerosos; entre eles, os bispos de Pérgamo, Antioquia, Jerusalém. O grande estudioso Orígenes foi submetido a uma tortura desumana, e sobreviveu quatro anos aos suplícios, reduzido a uma larva humana.

Pedro, um jovem muito simpático, tanto pelo seu físico como por sScreenshot_94uas qualidades intelectuais, foi decapitado por se recusar a sacrificar a Vénus. No julgamento,
declarou: “Estou atónito ao ver que sacrificais a uma mulher tão infame, cujas abominações são registradas por vossos próprios historiadores e cuja vida consistiu em ações que vossas próprias leis castigariam. Não oferecerei sacrifício a ela, mas ao verdadeiro Deus apresentarei a oferta aceitável de louvores e orações”. Ao ouvir isto, Óptimo, procônsul da Ásia, ordenou que o preso fosse estirado na roda de tormento, onde se lhe romperam todos os ossos. Depois, foi decapitado.

Nicômaco, obrigado a comparecer diante do procônsul como cristão,  recebeu bancodatortura - Copyordens de sacrificar aos ídolos pagãos.  No entanto, ele replicou: “Não posso dar a demónios a reverência devida somente ao Todo-Poderoso”. Esta maneira de falar enfureceu de tal modo o procônsul, que Nicômaco foi posto no potro. Depois de suportar os tormentos por um tempo, retratou-se. Porém, logo depois desta prova de debilidade, entrou em agonia; tombou ao chão e morreu imediatamente.

Alexandro e Epímaco, de Alexandria, foram presos como peca43 - Copysuspeitos de serem cristãos.
Diante da confirmação, foram golpeados com estacas, rasgados com ganchos de ferro e, finalmente, queimados. Também nos informa um fragmento preservado por Eusébio que quatro mulheres mártires sofreram naquele mesmo dia e no mesmo lugar, mas não da mesma maneira; foram decapitadas.

Luciano e Marciano, dois malvados pagãos versados nas artes mágicas, converteram-se ao cristianismo e, para expiar os erros passados, passaram a viver como eremitas e alimentar-se apenas de pão e água. Depois de um tempo nesta condição, tornaram-se zelosos pregadores e ganharam muitas almas para Jesus. Vindo a perseguição, foram presos e levados diante de Sabino, o governador da Bitínia. Quando lhes interrogaram em nome de que autoridade pregavam, Luciano respondeu que “as leis da caridade e da humanidade obrigavam todo homem a buscar a conversão de seus semelhantes e a fazer tudo o que estivesse ao seu alcance para libertá-los dos laços do diabo”.fogueiracatolica - Copy

Havendo Luciano respondido desta maneira. Marciano acrescentou que a conversão deles “havia sido pela mesma graça concedida ao apóstolo Paulo, que, de zeloso perseguidor da Igreja, convertera-se em pregador do Evangelho”. O procônsul, ao perceber que não podia prevalecer sobre eles no sentido de obrigá-los a renunciar a fé, condenou-os a ser queimados vivos. A sentença foi logo executada.

Trifon e Respício, dois homens ilustres, foram apreendidos como cristãos e encarcerados em Nisa. Tiveram os pés traspassados com cravos; foram arrastados pelas ruas, açoitados, descarnados com ganchos de ferro, queimados com tochas, e finalmente decapitados no dia primeiro de fevereiro de 251 d.C.

Nem todos os Cristãos suportam a perseguição. Muitos aceitam sacrificar. Outros, mediante suborno, obtêm escondidamente os famosos certificados. Entre eles, segundo a carta 67 de Cipriano, estão pelo menos dois bispos espanhóis. A perseguição, que parece golpear até à morte a Igreja, termina com a morte de Décio em batalha contra os Godos na planície de Dobrug (Romênia). (Cf. M. Clèvont, I Cristiani e il potere. P. 179s).

A perseguição manifestou-se com  muita ira também  na ilha de Creta, pois o governador, sumamente ativo na execução dos éditos imperiais, fez correr rios de sangue dos piedosos cristãos.

Babylas, um cristão com educação académica, chegou a ser bispo de Antioquia em 237 d.C, depois de Zebino. Atuou com zelo incomparável e pastoreou a igreja com uma prudência admirável durante os tempos mais tormentosos. A primeira desgraça a ocorrer em Antioquia durante a missão de Babylas foi o cerco orquestrado por Sapor, rei da Pérsia, que, ao invadir toda a Síria, tomou e saqueou essa cidade, entre outras, e tratou os moradores cristãos com maior dureza que os outros; porém, logo foi derrotado por Qordiano.

Screenshot_99

Depois da morte de Qordiano, o imperador Décio, que o sucedeu, visitou Antioquia e ali expressou o desejo de visitar uma comunidade cristã. Babylas opôs-se absolutamente a isso e não permitiu a sua entrada. O imperador dissimulou momentaneamente a ira, mas logo mandou buscar o bispo e, ao repreendê-lo duramente por sua insolência, ordenou que sacrificasse às divindades pagãs como expiação por sua ofensa. Ao recusar, Babylas foi deixado no cárcere, preso em cadeias, e tratado com a maior severidade. Logo depois, foi decapitado juntamente com três jovens que foram seus alunos. Isto aconteceu em 251 d.C.

Neste mesmo tempo foi encarcerado Alexandro, bispo de Jerusalém, e ali morreu devido à dureza de sua reclusão.

Em 251 d.C, o imperador Décio, depois de erigir um templo pagão em Éfeso, ordenou que todos os habitantes da cidade sacrificassem aos deuses. Esta ordem foi nobremente desprezada por sete de seus próprios soldados: Maximiano, Marciano, Joanes, Malco, Dionísio, Seraión e Constantino. O imperador, desejoso de que eles renunciassem a fé cristã mediante suas exortações e apelos, deu-lhes um tempo considerável até voltar de uma expedição. Durante a sua ausência, os bravos soldados fugiram e ocultaram-se em uma gruta. Ao regressar e tomar conhecimento do fato, o imperador ordenou que a entrada da caverna fosse fechada, e todos morreram de fome.

Secundiano, acusado de ser cristão, era levado ao cárcere quando Veriano e Marcelino indagaram aos soldados que o conduziam: “Para onde levais um inocente?” A pergunta fez com que também fossem presos e, após serem torturados, os três foram pendurados e decapitados.

Orígenes, o célebre presbítero e ensinador da Palavra de Deus em Alexandria, foi preso aos sessenta e quatro anos e largado numa imunda masmorra, totalmente acorrentado, com os pés no cepo e as pernas estiradas ao máximo, durante vários dias seguidos. Foi ameaçado com fogo e torturado com todos os requintes de crueldade inventados pelas mentes mais diabólicas. Durante o seu terrível e prolongado tormento, morreu o imperador Décio. Qallo, seu sucessor, envolveu-se numa guerra com os godos e, com isso, os cristãos tiveram um certo alívio. Orígenes obteve então a liberdade e retirou-se para Tiro, onde ficou até a morte, que lhe sobreveio aos sessenta e nove anos.

Qallo, depois de concluir suas guerras, deparou-se com uma praga no império. Ele pablo - Copyordenou, então, que fossem oferecidos sacrifícios aos deuses pagãos. Esta medida fez com que novas perseguições aos cristãos fossem desencadeadas, desde a capital do império até as províncias mais afastadas. Muitos foram as vítimas da impetuosidade da população, assim como do preconceito dos magistrados. Entre esses mártires estiveram Cornélio, bispo cristão de Roma, e Lúcio, seu sucessor, em 253 d.C.

Os setes anos seguintes (250-257) são de tranqüilidade para a Igreja, perturbada apenas em Roma por uma breve onda de perseguição quando o imperador Trebônio Galo (251-253) manda prender o chefe da comunidade cristã Cornélio, mandando-o em exílio a Centum Cellae (Civitavecchia). Sua conduta foi devida, provavelmente, à condescendência aos humores do povo, que atribuía aos cristãos a culpa pela peste que assolava o império. O cristianismo continuava a ser visto como “superstição” estranha e maléfica! (Cf. K. Baus, Le origini, p. 292).

A Oitava Perseguição sob Valeriano, em 257 d.C.

A oitava perseguição veio sob o comando de Valeriano, em abril de 257 d.C, e continuou por três anos e dez meses. Foram inumeráveis os mártires dessa perseguição; suas torturas e mortes eram variadas e penosas. Citamos a seguir os mais ilustres nomes dentre eles, embora não se tenha respeitado classe, sexo ou idade.

Estêvão, bispo de Roma, foi decapitado naquele mesmo ano. Também Saturnino, o piedoso bispo ortodoxo de Toulouse, por se recusar a sacrificar aos ídolos, foi tratado com as mais bárbaras e inimagináveis crueldades. Ataram-lhe os pés à cauda de um touro, e o enfurecido animal desceu em disparada as escadarias do templo. O crânio do digno mártir abriu-se, de onde saiu seu cérebro, que se espalhou pelo chão.

O implacável tirano Marciano, ciente de que Lorenzo não só era ministro da Palavra de Deus, mas também tesoureiro das finanças da igreja em Roma, prometeu ao imperador, com o aprisionamento de uma só pessoa,

uma dupla presa: primeiro, puxaria para o governo todo o tesouro dos cristãos pobres; depois, com a ferocidade da tirania, trataria de agitá-los, perturbá-los e esgotá-los em seus trabalhos diários. De rosto feroz  o ambicioso lobo perguntou onde Lorenzo havia empregado as riquezas da igreja em Roma. Este, pedindo-lhe três dias de prazo, prometeu declarar onde se encontrava o tesouro. Enquanto isso, fez congregar uma grande quantidade de cristãos pobres. Ao chegar o dia em que deveria dar a resposta, Lorenzo recebeu do perseguidor ordens de se manter fiel à promessa. Então, o valente ministro, estendendo os braços aos pobres, declarou: “Estes são o precioso tesouro da igreja em Roma; estes são verdadeiramente o tesouro, aqueles em quem reina a fé de 07ben - CopyCristo, em quem Jesus Cristo tem sua morada. Que jóias mais preciosas pode ter Cristo, senão aquelas nas quais prometeu morar? Porque assim está escrito: Tive fome e me destes de comer; tive sede e me destes de beber; fui forasteiro e me hospedastes’. E também: ‘Sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes’. Que maior riqueza pode possuir Cristo, nosso Mestre, que o povo pobre em quem deseja ser visto?”

Ah! que língua poderia expressar o furor e a raiva do coração do tirano? Agora batia o pé, lançava olhares furiosos,  comportava-se como louco. Seus olhos relampagueavam fogo; a boca espumava como a de um javali e mostrava os dentes como um infernal mastim, não era mais um homem racional.

“Acendam o fogo”, guinchou ele, “e não economizem lenha. Este vilão pensa que engana o imperador? Acabem com ele! Açoitem-no com chicotes, sacudam-no com varas, apliquem-lhe golpes com os punhos, descerebrem-no com garrotes. Este traidor zomba do imperador? Pincem-no com uma tenaz ardente, imprensem-no com placas incandescentes, atem-lhe as mãos e os pés, e quando a grelha de ferro estiver em brasas, amarrem-no a ela. Sob pena de nosso maior desagrado, cada um de vocês, verdugos, cumpra sua missão”.

Ditas estas palavras. Depois de cruéis tormentos,  foi posto —  sobre uma cama de ferro incandescente de fogo que serviu-lhe de leito de repouso eterno.matthew-hopkins-2 - Copy

Em Útica, a tragédia foi maior: por ordem do governador, trezentos cristãos foram postos ao redor de um forno de cozimento de cerâmica. Após prepararem as brasas e o incenso, receberam a ordem para que sacrificassem a Júpiter, ou seriam jogados ao fogo. Recusaram unanimemente e, cheios de bravura, saltaram no forno, onde foram imediatamente asfixiados.

Fructuoso, bispo de Tarragona, na Espanha, e seus dois diáconos, Augúrio e Eulogio, foram queimados por serem cristãos.

Alexandro, Malco e Prisco, três cristãos da Palestina, e uma mulher da mesma região, acusaram-se voluntariamente de serem cristãos, pelo que foram sentenciados a ser devorados por tigres, determinação que foi executada.

Máxima, Donatila e Secunda, três jovens de Tuburga, receberam como bebida fel e vinagre, foram duramente flageladas, atormentadas sobre um patíbulo, sujas com cal, assadas sobre uma grelha de ferro, maltratadas por feras, e finalmente decapitadas.

Valeriano e as finanças do império

No quarto ano do reino de Valeriano (257) tem-se um improvisa, dura e cruenta perseguição dos cristãos. Diante da precária situação do império, o conselheiro imperial (depois usurpador) Macriano induziu Valeriano a tentar tapar o rombo seqüestrando os bens dos cristãos ricos. Houve mártires ilustres (do bispo Cipriano ao papa Sisto II, ao diácono Loureço). Foi, porém, apenas um furto encoberto por motivos ideológicos, que terminou com o trágico fim de Valeriano. Em 259, ele caiu prisioneiro dos persas com todo o seu exército, foi obrigado à vida de escravo e morreu com tal.
Os quarenta anos de paz que se seguiram, favoreceram o desenvolvimento interno e externo da Igreja. Muitos cristãos acederam a altos cargos do Estado e demonstraram-se homens capazes e honestos.

Com Aureliano se incia também a Nona Perseguição, em 274 d.C.

Eis os dois mártires desta perseguição:

Félix, bispo de Roma, que assumiu o cargo em 274 d.C, foi a primeira vítima da petulância de Aureliano, ao ser decapitado no dia vinte e dois de dezembro do mesmo ano.

Agapito, um jovem cavalheiro que vendera suas possessões e dera o dinheiro aos pobres, foi preso como cristão, torturado, e logo decapitado em Praeneste, cidade que dista um dia de viagem de Roma.

Foram eles os únicos mártires registrados durante este reinado, que tão cedo viu o seu fim, quando foi o imperador assassinado em Bizâncio.

Aureliano foi sucedido por Tácito, que foi seguido por Probo, e este, por Caro. Quando este último foi morto por um raio, sucederam-no os seus filhos Carnio e Numeriano. Durante todos estes reinados a Igreja teve paz.

Diocleciano ascendeu ao trono imperial em 284 d.C. No princípio, mostrou grande favor aos cristãos. No ano 286 d.C, fez sociedade com Maximiano. Alguns cristãos foram mortos antes que se desatasse uma perseguição geral. Dentre eles destacam-se os irmãos Feliciano e Primo.333px-justus_lipsius_crux_simplex_1629 - Copy

Marco e Marceliano eram gémeos, naturais de Roma e de nobre linhagem. Seus pais eram pagãos, porém os tutores responsáveis por sua educação criaram-nos como cristãos.  Foram martirizados ao serem atados a estacas, com os pés traspassados por cravos. Depois de permanecer nesta situação um dia e uma noite, foram transpassados com lanças, que lhes puseram fim aos sofrimentos.

Zoe, a mulher do carcereiro que cuidou dos mártires acima mencionados, converteu-se através deles. Foi por isso pendurada numa árvore com um fogo de palha sob si. Seu corpo foi lançado a um rio, atado a uma pedra, para que afundasse.Screenshot_96

No ano 286 d.C, teve lugar um acontecimento dos mais impressionantes  registrados nos anais da Igreja Romana. Uma legião de soldados, composta de seis mil seiscentos e  sessenta seis homens, era totalmente constituída por cristãos. Era chamada Legião Tebana porque os homens haviam sido recrutados em Tebas. Estiveram alojados no Oriente até que o imperador Maximiano ordenou que se dirigissem às Qálias, a fim de o ajudarem contra os rebeldes de Borgonha. Passaram os Alpes, entraram nas Qálias, sob as ordens de Maurício, Cândido e Exupérnio, seus dignos comandantes, e finalmente reuniram-se ao imperador.

Nesta ocasião, Maximiano ordenou um sacrifício geral, que deveria ser assistido por todo o exército. Também determinou um juramento de lealdade e de auxílio na extirpação dos cristãos das Qálias. Alarmados diante de tais ordens, cada um dos componentes da Legião Tebana recusou-se, por completo, a sacrificar e fazer os juramentos propostos. Extremamente enfurecido com a recusa, Maximiano ordenou que selecionassem um de cada dez homens, e os matassem à espada. Após a execução da ordem sanguinária, o restante permaneceu inflexível; por isso deu lugar à segunda dizimação: um de cada dez homens dos que ficaram vivos morreu de igual modo.

Este segundo castigo não teve maiores efeitos que o primeiro; os soldados mantiveram-se firmes em sua decisão e em seus princípios. Porém, por conselho de seus oficiais, declararam fidelidade ao seu imperador.  Encolerizado diante da perseverança  dos soldados, determinou que toda a legião fosse morta. A ordem foi executada e foram todos mortos com golpes de espadas em 22 de setembro de 286 d.C.

maxresdefault (3) - Copy

O desastre financeiro cai nos braços de Diocleciano

Em 271 o imperador Aureliano ordenou aos soldados e cidadãos romanos que abandonassem aos Godos a vasta província da Dácia e suas minas de ouro: a defesa daquelas terras já tinha custado muito sangue.

Como não existiam mais províncias a conquistar e explorar, todas as tenções voltaram-se para o cidadão comum. Sobre eles abateram-se taxas, corvéias (= manutenção de aquedutos, canais, esgotos, estradas, edifícios públicos…) sempre mais onerosos. Já não se sabia, literalmente, se o trabalho realizado era para sobreviver ou para pagar as taxas.

Em 284, depois de uma brilhante carreira militar, Diocleciano, de origem dálmata, foi aclamado imperador. Desde então as taxas seriam pagas per capita e per jugero, ou seja, um tanto por cada pessoa e por cada pedaço de terra cultivável.
A coleta das taxas foi confiada a uma atilada e imensa burocracia, que tornava impossível fugir ao fisco, punia de modo desumano quem conseguia fazê-lo e custava muitíssimo ao estado.
As taxas eram tão pesadas que tiravam a vontade de trabalhar. A solução foi proibir que se abandonasse o lugar de trabalho, o pedaço de terra que se cultivava, a oficina, o uniforme militar.
«Teve início, – a feroz tentativa do Estado de espremer a população até à última gota…

A Décima Perseguição sob Diocleciano, em 303 d.C. 

Os primeiros vinte anos do reino de Diocleciano não molestaram os cristãos. Em 303, como um golpe de cena, desencadeou-se a última perseguição contra eles. «É obra de Galério, o “César” de Diocleciano», escreve F. Ruggiero. «Ele pôs fipersecucionm em 303 à política prudente de Diocleciano, que se abstivera, embora nutrisse sentimentos tradicionalistas, de atos intransigentes e intolerantes». Quatro editos consecutivos
(fevereiro de 303 – fevereiro de 304) impuseram aos cristãos a destruição das igrejas, o confisco dos bens, a entrega dos livros sagrados, a tortura até à morte para quem não sacrificasse em honra do imperador.

Como sempre, é difícil determinar os motivos que levaram Diocleciano a aprovar uma política do gênero. Pode-se supor que tenha sido objeto de pressões por parte de ambientes pagãos fanáticos, que estavam por detrás de Galério. Numa situação de “angústia difusa” (como diz Dodds), só o retorno à antiga fé de Roma poderia, segundo Galério e seus amigos, unificar o povo e persuadi-lo a enfrentar tantos sacrifícios. Era preciso retornar às vetera instituta, isto é, às antigas leis e à tradicional disciplina romana.

A perseguição atingiu a sua máxima intensidade no Oriente, especialmente na Síria, Egito e Ásia Menor. A Diocleciano, que abdicou em 305, sucedeu como “Augusto” Galério, e como “César” Maximino Daia, que se demonstrou mais fanático do que ele.
Só em 311, seis dias antes de morrer de câncer na garganta, Galério emanou um irritado decreto com que detinha a perseguição. Com o decreto (que marcou historicamente a definitiva liberdade de ser cristão), Galério deplorava o obstinação, a loucura dos cristãos, que em grande número se tinham recusado a retornar à religião da antiga Roma; declarava que perseguir os cristãos tornara-se inútil; e exortava-os a rezar ao próprio Deus pela saúde do imperador.

Comentando o decreto, F. Ruggiero escreve: «Os cristãos foram um inimigo extremamente anômalo. Por mais de dois séculos Roma tinha procurado assimilá-los ao próprio tecido social… estavam fisicamente no interior da civitas Romana, mas por motivos diversos eram-lhe estranhos»; tinham finalmente determinado «uma radical transformação da própria civitas em sentido cristão».

Sob os imperadores romanos, a chamada Era dos Mártires foi ocasionada, em parte, pelo aumento do número de cristãos e por suas crescentes riquezas, que suscitaram o ódio de Qalerio, filho adotivo de Diocleciano. Some-se a isto o estímulo de sua mãe, uma fanática pagã, que praticamente empurrou o imperador a iniciar esta perseguição.get_img - Copy

O dia fatal, assinalado para o início da sangrenta obra, era vinte e três de fevereiro de 303 d.C., data em que se celebraria a Terminalia, e que, como se jactavam os cruéis pagãos, poria fim ao cristianismo. No dia marcado, iniciou-se a perseguição em Nicomédia. Pela manhã, o prefeito da cidade chegou à igreja dos cristãos com um grande número de oficiais e, após arrebentarem as portas, tomaram todos os livros sagrados e lançaram-nos às chamas.

Toda esta ação ocorreu na presença de Diocleciano e Qalerio que, não satisfeitos em queimar os livros, fizeram desmoronar a igreja, de modo que não ficasse dela nem o rastro. O gesto foi seguido de um severo edito que ordenava a destruição de todas as demais igrejas e todos os livros cristãos. Logo veio a ordem para banir os seguidores de Cristo de todas as possessões romanas.

A publicação deste edito ocasionou um martírio imediato porque um atrevido cristão não só o arrancou do lugar onde estava posto, mas execrou o nome do imperador pela injustiça cometida. A provocação foi suficiente para atrair a vingança pagã sobre o tal cristão, que foi então preso, severamente torturado e, finalmente, queimado vivo.

Todos os cristãos foram encarcerados. Qalerio ordenou secretamente que ateassem fogo ao palácio imperial para que os seguidores de Cristo fossem acusados de incendiários; assim teria uma razão plausível para, com a maior das severidades, levar a cabo a perseguição. Começou um sacrifício generalizado; houve vários martírios. Não se fazia distinção de idade ou sexo. O simples nome “cristão” era tão odioso aos pagãos que todos, imediatamente, caíram vitimados. Muitas casas foram incendiadas, e famílias cristãs inteiras pereceram nas chamas. Outros tiveram pedras penduradas ao pescoço e, atados juntos, foram lançados ao mar. A perseguição generalizou-se em todas as províncias romanas, principalmente no Leste. Pelo longo tempo que durou — dez anos — é impossível determinar o número de mártires e descrever as várias formas de martírio.  Açoites, espadas, punhais, cruzes, veneno e fome foram empregados para matar os cristãos. Esgotou-se a imaginação no esforço de inventar torturas contra pessoas que não haviam cometido crime algum, a não ser pensar de maneira distinta dos seguidores da superstição.

Uma cidade da Frigia, totalmente povoada por cristãos, foi queimada, e todos os moradores pereceram nas chamas.

Screenshot_97

Cansados da carnificina, vários governantes de províncias apresentaram-se diante da corte imperial para mostrar a ilegalidade de tal conduta. Assim, muitos foram livres da execução, mas, ainda que não fossem mortos, tudo se fazia para que suas vidas se tornassem miseráveis. Muitos tiveram as orelhas e o nariz cortados, o olho direito arrancado, os membros inutilizados mediante terríveis deslocações, e as carnes queimadas com ferro em brasa.

Quando Máximo era governador da Cilicia, na cidade de Tarso, fizeram comparecer diante dele três cristãos: Taraco, um ancião; Probo e Andrônico.

Depois de repetidas torturas e exortações a que se retratassem, receberam finalmentedaniel-na-cova-dos-leoes-tortura - Copy a sentença de morte. Levaram-nos ao anfiteatro, soltaram sobre eles várias feras. Contudo, nenhum dos animais, ainda que famintos, os quis tocar. Então o domador soltou um grande urso, que naquele mesmo dia havia destruído três homens; tanto este voraz animal como uma feroz leoa recusaram atecax os presos. Ao perceber que era impossível destruí-los através das feras, Máximo ordenou sua morte pela espada, no dia 11 de outubro de 303 d.C.

Romano, natural da Palestina, era diácono da igreja em Cesaréia, quando se iniciou a perseguição de Diocleciano. Condenado por sua fé, em Antioquia, foi flagelado e posto no tronco. Seu corpo foi rasgado com ganchos; sua carne, cortada com facas; seu rosto, marcado; seus dentes, quebrados com golpes; e seus cabelos, arrancados pela raiz. Pouco depois ordenaram que fosse estrangulado. Era dia o 17 de novembro de 303 d.C.

Doroteo, homem notável na casa de Diocleciano, era cristão, e muito se esforçou a fim de ganhar outros para Cristo. Em seus labores religiosos, foi ajudado por Qorgonio, outro cristão que também pertencia ao palácio. Ambos foram torturados e estrangulados.

Cipriano, o mago, era natural de Antioquia. Recebeu uma educação académica em sua juventude, e aplicou-se particularmente à astrologia. Depois, viajou para ampliar seus conhecimentos, e visitou vários países, entre eles Grécia, Egito, índia, etc. Com o passarsword-01 - Copy do tempo, conheceu Justina, uma jovem dama de Antioquia. Um cavalheiro pagão pediu a Cipriano que o ajudasse a conquistar o amor de Justina. Porém, após ele empreender esta tarefa, foi convertido; queimou seus livros de astrologia e magia, recebeu o batismo, e sentiu-se animado pelo poderoso espírito da graça. A conversão de Cipriano exerceu grande efeito sobre o cavalheiro pagão, que logo abraçou o cristianismo. Durante as perseguições de Diocleciano, Cipriano e Justina foram aprisionados como cristãos. Ele foi dilacerado com tenazes; ela, açoitada. Após outros tormentos, foram decapitados.

No ano 304 d.C, quando a perseguição atingiu a Espanha, Daciano, governador de Young_Beckie_by_Arthur_Rackham - CopyTarragona, ordenou que Valério, o bispo, e Vicente, o diácono, fossem presos, atados com correntes e encarcerados. Como os prisioneiros se mantivessem firmes em sua resolução, Valério foi exilado, e Vicente, posto no tronco. Seus membros foram deslocados, e sua carne rasgada com garfos. Depois, foi posto sobre uma grelha, com fogo por baixo, e pontas para cima, que lhe atravessavam a carne. Estes tormentos não o destruíram nem fizeram com que mudasse de atitude; foi então levado de volta ao cárcere, confinado em uma pequena e imunda masmorra escura, repleta de pedras pontiagudas e de cacos de vidro, onde morreu em 22 de janeiro de 304 d.C. Seu corpo foi jogado a um rio.

A profunda revolução

As últimas perseguições sistemáticas do terceiro e quarto séculos resultaram ineficazes como aquelas esporádicas do primeiro e segundo séculos. A limpeza étnica invocada e apoiada pelos intelectuais greco-romanos não fora realizada.

À distância, as acusações indignadas acabaram resultaram o melhor elogio aos Cristãos: «recolhendo gente ´ignorante´como eram chamados os pobres pelos intelectuais, pertencente à população mais vil, os cristãos desprezam as honras e a púrpura, e chegam até mesmo a chamar-se indistintamente de irmãos e irmãs».
O apelo à dignidade de toda pessoa, mesmo a mais humilde, a igualdade diante de Deus (o ponto mais revolucionário da mensagem cristã) tinha feito silenciosamente o seu caminho na consciência de tantas pessoas e de tantos povos, que os Romanos tinham relegado a posições miseráveis e os nascidos como escravos e tratados como lixos humano, vistos agora pelos cristãos em pé de igualdade e considerados como irmãos e renascidos em Cristo.

23_01_2016__09_40_06612792b87ca8049182b14e6a64cafe25ecaad_640x480

Fontes:

O Livro dos Mártires Por John Fox:

https://books.google.com.br/books?id=YXqZBAAAQBAJ&pg=PT43&lpg=PT43&dq=Est%C3%AAv%C3%A3o,+bispo+de+Roma,+foi+decapitado+naquele+mesmo+ano.&source=bl&ots=mJ3G-04aul&sig=VzDBFM-403gExMjRqgEEy_ufvE0&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwiyq-y1_prTAhVCC5AKHZ0RBJgQ6AEIHDAA#v=onepage&q=Est%C3%AAv%C3%A3o%2C%20bispo%20de%20Roma%2C%20foi%20decapitado%20naquele%20mesmo%20ano.&f=false

https://igrejamilitante.wordpress.com/2013/03/10/breve-relato-da-perseguicao-aos-cristaos-primitivos-e-a-igreja-catolica/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_do_cristianismo

http://imperioroma.blogspot.com.br/2010/03/perseguicao-aos-cristaos.html

https://pt.wikipedia.org/wiki/Grande_inc%C3%AAndio_de_Roma

Participe Grupo Facebook: Debates perguntas cristãs complicadas

Anúncios

Um comentário sobre “Perseguição Primeiros Cristãos: Parte 02

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s